Ops, detectamos que seu navegador está com o Javascript desabilitado!
Informamos que nosso website possui recursos que utilizam a tecnologia javascript para que você tenha uma ótima experiência e navegação.

Por favor, ative seu javascript antes de continuar sua navegação.

Mapa do Site

CEDAE Alexandre Eulalio
Sexta, 30 de junho de 2017

Poema desconhecido de Hilda Hilst é identificado por pesquisadora da UFMS

Um poema desconhecido de Hilda Hilst foi identificado por Milena Wanderley, doutoranda em Letras pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, no acervo do arquivo Edgard Leuenroth, AEL.

Escrito em 1949, quando Hilda tinha apenas 19 anos, o poema “sem título” foi publicado no mesmo ano pelo jornal Tentativa, de Atibaia.

No acervo do CEDAE, Milena também identificou outro poema “sem título”, desta vez na revista Colégio, dirigida por Roland Corbisier e publicada em São Paulo, em 1949. Localizado em 2016, o mesmo foi incorporado à coletânea Da poesia, publicada recentemente pela Companhia das Letras.

Leia os dois textos abaixo: 

 

Fracassamos. Seremos os eternos fracassados.

Mas daqui a sete mil anos

abriremos as portas de todos

os claustros e lá nos encerraremos.

Seremos então os primeiros enclausurados

puros,

brancos,

mãos brancas, rosto branco

BRANCO – Ausência de amor.

Não haverá sinos em nossos campanários

(nem sinos, NEM AMOR)

qualquer luz em nossas celas

iluminará somente os livros

de quotidiana meditação.

Fomos improdutivos. Fomos estéreis.

Naufragamos no mar da compreensão.

Prostituímos ternamente as cousas que só nós entenderíamos.

E nos tornamos eternos fracassados…

Não haverá sinos em nosso campanários

(nem sinos, NEM AMOR)

                                                   In: Tentativa, Atibaia, p. 2, jun. 1949.

 

Não existe amanhã...

Amanhã será um grande dia triste

como o dia de hoje.

 

Amanhã, vou chegar perto daquela árvore

ao lado do rio, e de qualquer outro modo

               me matarei.

 

Não importa o que os amigos vão dizer

nem a decepção que Augusto meu grande

               e maior amigo vai ter.

 

Talvez eu precisasse dizer aos outros

muita coisa, mas seria inútil porque

nem o homem, nem a mulher amiga,

haveriam de realizar o sentido imenso

               dessa minha conclusão.

 

Eu desejei amigos e livros: Tive.

Desejei amor, também tive...

apesar de ele nunca ter dito.

 

Amanhã desejarei morrer.

Mas vou morrer sem barulho, docemente

e ninguém vai descobrir o quanto eu

compreendi para chegar ao final.

 

Escutem meus amigos: A morte é grande

muito grande, imensa, e se todos

compreendessem, haveriam de morrer

sem barulho, docemente como eu.

 

Vou matar-me amanhã.

E que dia comprido o dia de hoje.

 

In: Colégio: revista de cultura e arte. São Paulo, ano II, n. 5, p. 112 e 113, 1949.

 

Copyright © 2013-2021 - CEDAE - Todos os Direitos Reservados.